“Planto flores no caminho para que não me faltem as

borboletas. Foram elas que me ensinaram que o casulo

não é o fim. É o começo."

Day Anne


29 de jun de 2010

Fazendo amor...


Todos nós temos nosso jeito de amar, ou demonstrar amor.
Já parou pra pensar nas maneiras que mostra seu amor?
Esse pensamento invadiu minha cabeça agora, enquanto conversava com uma pessoa pra lá de especial. Como fazemos amor?
Pude ver, recentemente, que demonstro amor fazendo. Quando faço pra alguém o prato preferido, estou mostrando amor. Quando lembro de um fato importante e o reavivo, compartilhando, ou quando ouço com atenção as aflições que atormentam pessoas que são importantes pra mim, estou fazendo amor. Demonstrando interesse pelos sonhos daqueles que os dividem comigo, andando junto na trilha íngreme, segurando na mão estendida que pede conforto, acolhendo as lágrimas de uma dor que transbordou ou abraçando um corpo doente de dor, estou fazendo amor.
É nos gestos que revelamos o amor, nem sempre as palavras o traduzem com perfeição. Então, se fizermos uma lista de ações amorosas, entenderemos que o amor está nas coisas mais simples, nas intenções mais verdadeiras, e que fazemos amor, amando. Amando sem reservas, sem condição ou imposição.
Fazendo o doce predileto, atendendo um telefonema tarde da noite, procurando o presente perfeito, escolhendo a melhor hora pra surpresa, marcando horário numa agenda já apertada, lembrando de comprar uma fruta madura, esperando o primeiro minuto da madrugada para cumprimentar pelo aniversário, selando um acordo com um simples aperto de mão, compartilhando um café fresquinho, estamos fazendo amor.
Entre centenas de coisas que não me ocorrem agora, quando silenciamos por respeito, abraçamos cheios de saudade, fazemos strogonoff só porque é o prato predileto, doce de chocolate, de cereja, sopa quentinha, cedemos nossa cama, sentamos juntinhos no sofá, torcemos baixinho pro Brasil, damos carona pro aeroporto, atendemos de um bebê para os pais descansarem, servimos a massa mergulhada no molho preferido, ouvimos quem está triste, quando dizemos "te amo", ao olharmos no fundo dos olhos em completo silêncio, ao retribuir um aceno que sabemos que custou a chegar, quando presenteamos com um livro que adoramos - e se o exemplar antigo for o nosso, então...seguramente, estamos fazendo amor!!
Quando mudamos, nos melhorando enquanto pessoas, aprendemos a lidar com nossos limites, crescemos por opção, estamos fazendo amor conosco, maneira unica de amarmos o outro!
Sei que vou reler e pensar em muitas coisas que estou "esquecendo de lembrar", mas fica o convite para quem aqui chegar:
- Vamos fazer muito amor nessa vida??


12 comentários:

manuel marques disse...

Há menos maneiras de fazer amor do que aquelas que se diz, mas ainda há muitas mais do que aquilo que se pode imaginar ...

Beijo.

Denise disse...

Sim, meu amigo, principalmente partindo da premissa de que o amor não tem medida...

Beijo.

Julio Cesar disse...

Deniiiiseeee...uau! estou com leitura para a semana!...será que dou conta!
ler, ouvir, falar e viver amor é algo demais, que me enche, que me incita e excita...e fantástico, bom, caloroso...
pena que não estarei acessando todos os dias, isto irá frear-me um pouco...mas esses posts sim irei ler-los com muito mais carinho.
um beijão...

com todo esse amor que está permeando esse beautiful rainbow.
Julio

Tais Luso disse...

Oi, Denise, este texto é lindo e totalmente verdadeiro, pois as demonstrações de amor são infinitas. Porém existem pessoas que por mais que se faça, por mais que nos doamos a elas, nada chega, não notam o sentido do amor. Só notam esta demonstração com palavras. São aquelas pessoas, talvez inseguras, que precisam o tempo inteiro ouvir que são amadas, o ‘eu te amo’. E não é possível, cansa um pouco a demonstração de amor só com palavras. Fica muito ‘piegas’. Palavras têm um sentido profundo, sublime, mas têm sua hora.

Beijos e meu carinho, amiga.
Tais luso

Jeanne disse...

Denise, concordo com tuas idéias.
A palavra, se não for acompanhada de atitudes e gestos concretos, não tem nenhum valor, é vazia.
Engraçado é que acabei de dizer a mesma coisa no blog do Jorge,rsrsrs...
Beijos

Cida disse...

Ai amiga, amei!!

É isso aí, o amor demonstrado nas pequenas coisas é LINDO DEMAIS!!

Tenho tantos exemplos, mas vou citar alguns que me vieram agora à cabeça:
- Estamos assistindo TV, meu marido se levanta calado, e ao voltar, traz uma manta com a qual me envolve e diz: senti que você estava com frio...

- Quando ele chega da rua, me trazendo certas frutas que só eu gosto, e me diz: estavam tão bonitas que me lembrei de você...

São coisas pequenas e simples, mas que transmitem tanto amor, que às vezes até nos deixam sem fala.

Tenho certeza que retribuo a todo esse carinho, do dia a dia, e na retribuição, fico feliz através da felicidade dele.

Prá que complicar, se o amor apesar de grandioso é ao mesmo tempo tão simples, não é mesmo?

Beijo prá você amigavó

Cid@

Denise disse...

Olá, Julio. O amor está onde estivermos, somos puro amor - nos menores gestos podemos encontrar a grandiosidade do amor.
O mais sublime que tenho visto, é minha nora amamentando seu bebê, que a olha profundamente e sorri ao final, como lhe agradecendo...

A ternura que comunga com o amor, faz minha alma derreter, me cativa, deixa ensolarado um dia cinzento...

Boa leitura meu querido, tenho esbarrado no amor em muitos cantinhos desta blogosfera...
Bjos

Denise disse...

É verdade Tais, há quem não saiba receber amor, mesmo que ame profundamente. Tem quem confunda amor com obrigação e tem muita insatisfação infelicitando as pessoas, quando amar é tão mais simples.
Medo e insegurança são inimigos mortais do amor - e essa lição é doída de aprender! - sem falar nos relacionamentos por dependência afetiva, travestidos de amor...

Ter que reafirmar o amor é diferente de declarar o amor - dizer que ama pq sente vontade é diferente da necessidade de ouvir. E pra ter validade, tem que ser pra valer, não é?

Adorei a visita!
Bjo carinhoso pra vc tb!

Denise disse...

Falou tudo, por duas vezes, então...rsrs

Vc me fez lembrar alguns aprendizados com esta tua observação, Jeanne...só vivendo o amor pra a ele entender e aprender a amar.

Beijos, minha amiga!

Denise disse...

E mesmo assim, o que mais fazemos é complicar, né amiga??

Lindos teus exemplos, Cida. Mas é como disse, vc reconhece os gestos e, vendo-os, acaba por retribuí-los. Isto alimenta o amor, pq o difícil não é amar, é manter a chama acesa, é não desistir do outro, é aprender a enxergar o amor em sua plenitude e simplicidade. É simplificar sem banalizar.

Fazer amor é bom demais, não tem idade, não escolhe tempo e nem tem contra indicação...rs...e pode-se repetir, repetir e repetir...quanto mais se faz, mais amor aprendemos a fazer - e a receber!

Beijos, amigavó cheia de amor!!!

Ivana Marisa Altafin disse...

Olá Denise,

Sim, há infinitas maneiras de demonstrar o amor, sem dúvida o que alimenta uma relação é o afeto, e você descreveu inúmeras maneiras de demonstrá-lo, basta querer.

Um ótimo dia!

Denise disse...

Bom dia, Ivana!

A função do amor em nossas vidas é trazer felicidade, harmonia e paz. Se não sentimos assim, talvez procurar entender os motivos ajude a mudar - e uma das coisas mais comuns é percebermos que ele, o amor, não está sendo praticado, traduzido em ações. Parece fácil mas não é, porém, com bastante querer, não só é possível como maravilhoso reverter a situação...

Um ótimo dia pra todos nós, abraço forte!