“Planto flores no caminho para que não me faltem as

borboletas. Foram elas que me ensinaram que o casulo

não é o fim. É o começo."

Day Anne


19 de abr de 2012

Comunicação







A palavra é frágil, tantas vezes soa divergindo da intenção, que nestas ocasiões me questiono se a comunicação é mesmo responsabilidade de quem emite a ideia, ou se, quando falha, tem alguma participação de quem [mal] assimila o conteúdo.
Isso me leva à questão primordial: soar vem do verbo falar ou do verbo ouvir? Tem como acontecer a segunda, sem que a primeira ocorra? Eis de onde, tudo indica, o conceito saiu...porém, a interpretação do que é dito acontece quando? E feita por quem?
- Aquele que ouve, dá sentido.
- E aquele que falou? Ah, esse transmitia o seu significado.
Concluo que deve ser por isso que a comunicação tem tanto ruído entre os interlocutores, uma vez que o entendimento de um desdiz a intenção do outro - que quis dizer coisa diferente da que foi (?) entendida.
Comunicar-se é um risco que pode ferir tanto a quem ouve - pelo que interpreta - como a quem fala, pelo que tenciona dizer e não se faz compreender. Seriam os ouvidos já na defesa que filtram demais ou a boca ingênua que se abre do tamanho daquilo que o coração quer contar?
Enquanto as respostas não vêm, os ouvidos que escutaram tantas vezes que em boca fechada não entra mosca, lembram que pode ser melhor calar a voz que não encontra eco - afinal, o silêncio não sofre retaliação. Não?...


2 comentários:

Fabio Baptista disse...

E o burro quieto se passa por sábio! :D

As teorias de comunicação que tive contato sempre pregam que a responsabilidade pelaa compreensão da mensagem é de quem fala.

A melhor coisa a se fazer é pedir para que a pessoa que ouviu explique com suas próprias palavras o que lhe foi transmitido. No ambiente de trabalho funciona bem.

Claro que nem sempre dá pra fazer isso, daí complica mesmo.

Denise disse...

A teoria diz que a responsabilidade da comunicação, é do comunicador - sem dúvida...e perguntar: "me fiz entender?" é a melhor forma de checar se houve êxito é essa...não discordo da teoria, mas observo comunicadores se expressarem com clareza suficiente, mas o retorno é de uma preguiça de pensar, de assimilar, de compreender, que me faz pensar...se um dos lados se esforça, pq o outro não se empenha?...rs

Por aí...

Bjo