“Planto flores no caminho para que não me faltem as

borboletas. Foram elas que me ensinaram que o casulo

não é o fim. É o começo."

Day Anne


2 de nov de 2011

Findou-se...




Finados é o dia de lembrarmos os mortos.
Penso que seja apenas um dia a consagrar a vida que teceu a trama dos encontros, sinalizando que findou esse contato do abraço, a possibilidade de recostar no ombro e de apertar as mãos, dividir um copo de suco ou ter a companhia numa viagem. Apreciar juntos um chá ou compartilhar sonhos. O telefone emudece e passar diante da casa onde viveu provoca a nostalgia de momentos eternizados nas entranhas da gente.
Aqueles que se foram não conseguimos mais tocar, findou-se esse humano contato, entretanto, no plano amoroso em que os guardamos, permanecem ao ponto de suas presenças, muitas vezes, anunciarem cheiros e sons. É a vida que mantemos ativa pelas lembranças tantas e amor que não morre.
A morte é o término de uma passagem, mas a caminhada é mais extensa do que sugere um calendário humano.
A todos os amores que permanecem, minha homenagem e saudade. Findou-se apenas a alegria de nossos encontros.

20 comentários:

Toninhobira disse...

Correta reflexão amiga.Uma viagem,onde um dia temos de descer naquela plataforma e deixar para trás toda uma historia que ficará na memoria de nossa historia.E a tristeza que às vezes se tem é esta incerteza da volta.

Carinhoso abraço com admiração.
Bju.

Malu disse...

Aos que se foram, mas deixaram suas mais ternas recordações - o nosso respeito e gratidão pelo convívio, pois tudo tem razão de ser.
Abraços, minha amiga e desculpa as ausências...

Cristina disse...

Seu texto fala tudo, findou se o contato, mas o amor permanece para sempre. Dia de muitas saudades não é minha amiga? Que você tenha uma ótima semana com muita paz e luz! Um grande abraço!

Ivana disse...

É esse seu jeito suave de escrever que me faz ver as coisas sempre de uma maneira melhor, mais bonita. Embora meus pais se foram muito jovens, tenho deles somente boas lembranças. A vida continua. Mas você escreveu uma coisa muita interessante: todas as vezes que passo em frente a casa onde morava com meus pais tenho muitas lembranças, afinal vivi mais de 4 décadas nessa casa, são muitas histórias que não se perdem com o tempo. Denise, posso dizer que hoje, finados, eu não estou triste. Sinto mudanças em mim, no sentido de libertação em vários sentidos. Eu acho que eu escrevi uma carta, mas sei que aqui eu posso escrever uma carta se for preciso. Adorei passar por aqui e encontrar esse TEXTO tão bonito, e as flores também estão lindas. Uma ótima tarde, um abraço.

She disse...

Que linda homenagem ao dia de hoje, minha querida. Sabe o que eu fiz hoje? Estou com o seu blog aberto aqui faz tempo só pra ouvir essa música maravilhosa que acalma... Ahhh muito bom! Me levou ao Centro que eu frequentava... De vez em qdo eu vou voltar aqui pra beber dessa paz... ;)
Beijo, beijo Dê!
She

R. R. Barcellos disse...

É o dia das lembranças - mais um deles. E das saudades, tantas são...
Beijos, Denise.

Ma Ferreira disse...

os mortos o nosso respeito..

Mas vamos celebrar a vida..
Vamos fazer a vida valer a pena..cada dia que nasce é uma oportunidade...

Um bj...

Regina Rozenbaum disse...

Então lindona, estamos afinadíssimas em nosso sentir! E temos dito!
Beijuuss, violeta, n.a.

pensandoemfamilia disse...

Linda forma de pensar e transmitir o fim dos encontros nesta esfera.
bjs

Milene Lima disse...

Esse não é um dia triste pra mim, na verdade as simbologias me soam distantes, não consigo me prender a isso, a imaginar que a pessoa a quem amei (amo) está guardada ali, naquele túmulo e eu devo me por diante dele a acender velas. Eu acho que os que me estão a todo instante a olhar por mim... E eu penso neles com saudade.

Beijos, mocinha querida.

Denise disse...

O reencontro é certo, Toninho - a volta...a gente só desconheço os canais, os portais pelos quais vamos ultrapassar o tempo...

Abraço recebido e retribuído, com carinho!

Denise disse...

é um fato que demorei a aceitar, Malu - tudo tem uma razão de ser...hj faço desta certeza uma aceitação espontânea e tranqüilizadora.
Aos que se foram, nosso amor, que é eterno

Beijo feliz com tua visita!

Denise disse...

Sim, Cris, a saudade é aquele instante que considero um encontro com uma lembrança feliz. São muitos os momentos, enorme a saudade!

Beijos, querida!

Denise disse...

Ivana, acho que quando o coração pula na ponta dos dedos, a gente transmite o que sente, com poucas palavras.
Meus pais estão aqui comigo, mas como vc, tb eu tenho outras moradas que hj me causam saudade e evocam lembranças de minha meninice, sempre que passo em frente ou vejo fotos. Me enternecem essas lembranças, faço deles a ponte que me leva a esse passado cheio de boas recordações.

Aqui vc pode escrever carta...rs...eu deixo...rsrsrs.

Bom fds, beijo!

Denise disse...

Nossa She...coisa boa saber que se sente assim, mas...de qual música estamos falando?...rs

Um lindo fds, minha querida!
Bjinho

Denise disse...

Pois é Rodolfo, as lembranças são tantas...e tamanhas, que vivem a alimentar essa saudade que preenche de ternura os espaços que sentimos vazios...

Um beijo, meu querido.

Denise disse...

Com certeza Ma, a cada dia, novas oportunidades de viver a plenitude da vida...a gente é responsável por essas pegadas que vai deixar na areia...

Um beijo!

Denise disse...

Como sempre, Rê, em ressonante circuito de sensações e sentimentos. Que assim permaneça!

Beijãozão, amada!

Denise disse...

Pois é assim que sinto, Norma.
A gente vive e transforma-se, e muda as maneiras de ver e viver a vida. Isso nos salva!

Beijo

Denise disse...

Penso como vc, e confesso Mi, não sei pensá-los desfeitos em ossos, não era seus corpos que eu amava/amo, então fico com o que existiu sempre: suas almas junto à minha - ontem, hj e sempre!

Bjos, moça querida!