“Planto flores no caminho para que não me faltem as

borboletas. Foram elas que me ensinaram que o casulo

não é o fim. É o começo."

Day Anne


23 de jan de 2011

Uma história de amor


O Cantinho da She está em festa, e os convidados receberam um especial presente: o convite Venha para a minha festa, com o tema CONTAR UMA ESTÓRIA DE AMOR QUE A GENTE VIVEU OU PRESENCIOU.

Pode haver assunto mais gostoso pra falar?

Obrigada querida, falar deste amor é realmente um presente, e que teu Cantinho tenha vida longa e morada eterna nos corações amigos. Teu jeitinho me cativou e teu blog me encantou, estou feliz por fazer parte desta minha primeira Blogagem Coletiva - já imagino quantos relatos lindos irão nos emocionar.








Vamos à minha história de amor, então...

Tudo começou há muitos, muitos anos atrás, quando observava os olhos transbordando amor, uma infinita paciência e uma devoção sem limites. Eu achava que sabia o que via, que entendia aquele amor - não podia ser diferente do meu.
Hoje sei que os olhos derramam o amor que jorra no peito da gente, como uma barragem aberta sem trava nenhuma, e que aquela paciência é fruto da fase serena desse amor doce e completo - nem maior ou mais bonito, apenas diferente. Mas a devoção...essa nasceu no exato instante em que meus olhos alcançaram aquele Ser róseo, embrulhadinho numa manta azul enquanto esperava pelo primeiro banho.
Acertou! A minha história de amor é sobre a chegada de meu neto, que mês que vem faz um ano.

Meu coração primeiro falhou, depois deu um salto, a respiração ficou em suspenso e minhas pernas, momentaneamente, ficaram pregadas no chão: a réplica perfeita de meu filho parecia olhar pra mim. O amor, que estava pronto, explodiu ali, desceu em gotas pelo rosto, e se derramou quando o pus em meus braços, pela primeira vez.




Eu experimentara momentos de amor indescritíveis na vida, porque para que este acontecesse, antes vesti-me de branco, subi ao altar e dali segui ao lado do meu grande amor. O pai de meu neto, nosso primogênito, veio para fazer de nós, uma família. O amor se multiplicava, e a gravidez me levou a um estado de felicidade que não sei exprimir - o céu era o limite pra mim. Menos de cinco anos depois era a vez da nossa menina completar aquela felicidade, enchendo a casa de lacinhos e bonecas - e meu coração de uma alegria perfeita: realizei o grande sonho da minha vida.
Desde então, observava os avós deles dois - a ternura daquele amor que não se modifica, isso é visível e quase palpável, vendo minha mãe de bisneto no colo toda derretida para aqueles que chegaram antes e fizeram dela, avó. Assistindo a ternura de meu pai se repetir, com idade avançada e a capacidade de amar, intacta.

Diferente dos meus filhos - por medo, inexperiência, cesárias e avós presentes - o primeiro banho eu que dei, dele cuidei nas primeiras semanas, segurei nas mãos o umbigo que caiu, e a cada vez que chegava para covórujar, sentia seus olhos vivos me reconhecendo - e sou capaz de jurar, sorrindo pra mim. Hoje, já não tenho dúvidas...rs

Minha história de amor é igual a de milhares de avós, cujo amor deve ser parecido com o meu, mas o meu é especial porque é meu - e agora que realmente conheço esse amor, e dele desfruto e por ele me apaixono mais e mais (se isso é possível), posso afirmar que ser avó é ter o céu nas mãos, porque cabe neste coração o amor maior - pelos meus filhos - e este amor perfeito, sereno, derramado e sem igual.

E pra finalizar, vejam se faz sentido pra vocês: perguntando "cadê o amor da vó?", ensinei a ele bater a mãozinha no peito. Ele aprendeu (apesar do ar de descrédito da platéia...rs), e agora me provoca quando passo por ele: com um sorriso cheio de dentinhos brancos e os olhos marotos que sorriem também, bate no peito e inclina a cabecinha.
Logo, logo, vou ouvir um chamado...e meu coração certamente vai falhar, mas dessa vez os pés irão correr, os braços no ar o levantar, e os olhos, penso...irão, uma vez mais, o meu amor derramar.




É ou não é uma linda história de amor,
essa entre nós dois!?


26 comentários:

Maria Tereza Venzke disse...

Oi Denise,

Linda história...

Amor é radiância, a fragância de conhecer a si mesmo, de ser você mesmo. Amor é uma alegria transbordante. Amor é quando você viu quem você é; então não resta nada exceto compartilhar o seu ser com outros. Amor é quando você viu que não está separado da existência.Amor é quando você sentiu uma unidade orgânica, orgástica com tudo que é. Amor não é um relacionamento. Amor é um estado de ser; não tem nada a ver com nenhuma outra pessoa. A pessoa não está em Amor, ela é amor. E é obvio que quando alguém é amor, ele está em amor – mas isso é uma conseqüência, um subproduto, não é a fonte. A fonte é que a pessoa é amor.Amor é quando você conheceu o seu céu interior . Amor é um profundo desejo de abençoar a existência toda.... O amor é algo eterno.""A Energia do Amor está no ar. Que essa energia se expanda e alcance todos os nossos corações".
Osho

Abraço amoroso

Tereza

Malu disse...

Denise, não pude sair sem derramar umas lágrimas por aqui, de pura emoção.
Que forma mais profunda e sensível de se falar deste amor ímpar.Lindo de viver.
Abraços

Cantinho She disse...

Deeeeeeeeeeeeee, minha linda e querida, eu ameeeeeeeeeeeeeeeeeei e me emocionei e muito com o seu post! Que coisa mais linda de carinho e homenagem ao seu netinho, que relato cheio de amor... Lindo demais, minha querida! Obrigada pela LINDA participação! E por todo o seu carinho comigo!
Beijo, beijo!
She ;)

Cida disse...

Linda...linda...linda, a sua história!
Como já disse outras vezes: Como te entendo, amiga!
E como poderia ser diferente, se, com apenas algumas variações, a sua, é também a minha história de vida?
O amor, realmente, iguala o ser humano, e, ao mesmo tempo, é o que nos coloca mais pertinho de Deus.

Meu blog está em festa, pois minha neta Bruna acabou de completar 3 anos (você nem imagina como esse tempo passou depressa...)

Logo, logo, seu queridinho vai estar batendo papos com você, como já acontece aqui do meu lado... e aí sim, amiga, você vai se sentir no verdadeiro paraíso.
Sentir bracinhos te enlaçando o pescoço, e vózinhas meigas dizendo: "vovó, eu te amo muito, você é o meu amor"... amiga, isso realmente não tem preço!...=D

Parabéns, Denise, está tudo muito lindo por aqui (amei sua foto com ele no colo).

Beijos fra[ternos] pra você.

Paz e Luz!

Cid@

Cacá - José Cláudio disse...

Eu tenho uma sensação (a confirmar em breve, se Deus quiser e a minha filha também, rsrs) que a gente renasce no momento em que vem um neto, fruto de uma continuação do amor que depositamos nos filhos, na família. É simplesmente emocionante a sua história, Denise. Linda e emocionante. Meu abraço, saúde , muita paz e muito bem para toda a família.

orvalho do ceu disse...

"...os olhos derramam o amor que jorra no peito da gente, como uma barragem aberta sem trava nenhuma, e que aquela paciência é fruto da fase serena desse amor doce e completo"...
Olá,
Que descrição do AMOR tão singela e profunda!!!

Que bom vc estar participando da Coletiva da She!!!
Essa frase acima do seu post é por demais importante para mim para definir AMOR... Creio ser possível em qualquer idade...
O AMOR JAMAIS ACABARÁ!!!
Bjm e ótima semana com paz e AMOR!!!

Regina Rozenbaum disse...

Nem carecia perguntar... vó mais babona de AMOR! E essa dilícia de SER já vai fazer um aninho?!! Afff que cê vai ter que postar o filho de seu filho - aqui - perpetuando esse ciclo de VIDA!
Beijuuss irmigamada n.c.

JOE ANT disse...

Sem dúvida!
Histórias de amor continuadas.
Filhos, netos e...
tudo o mais que por aí virá!
...
Para mim, duas filhas, sete netos,
e a vida continua.
...
E por aqui ficamos tecendo sentimentos quer se mostram aqui e noutros cantinhos (Parabéns à She)

Myriam disse...

Não tem palavras para definir o que sinto, lágrimas rolam de meu rosto sem que eu consiga disfarçar..lindo, pura verdade, letra por letra!
Bjs

Bloguinho da Zizi disse...

Verdadeiras almas gêmeas.
Sim, é uma linda história de amor.

Denise disse...

Osho define o amor como ninguém, e sou louca por suas palavras que transbordam sabedoria e amor. Linda esta citação, Tere, obrigada por trazer Luz e amorosidade ao meu post amoroso...rs
Onde vc passa, fica esse perfume...

Bjo de imensa gratidão!

Denise disse...

Oi Malu, eu não censuro o afeto pelo meu neto, só deixo fluir esse amor que me toma por inteiro. Compartilhar com vcs foi um momento de emoção tb pra mim, acredite.

Um grande beijo!

Denise disse...

She, pensei apenas que, para ser o mais transparente possível falando de amor, tinha que contar uma história que garantisse a emoção e levasse à tua festa a ternura que esse sentimento provoca.
Fiquei feliz por ter gostado, significa que pude pincelar o colorido que tua comemoração merecia.
Obrigada, querida, pelo carinho das tuas palavras.

Grande bjo

Denise disse...

Amigavó querida, vou correndo lá deixar meu bjo pra Bruna e pra vó Cida...rs

Nem me fale nesse dia, Cida, acho que quando ele verbalizar tudo que seu rostinho exprime, nós todos vamos dar vazão à emoção que certamente nos levará a colher estrelas...afinal, o céu é o limite...rsrs

Um bjo e meu carinho!

Denise disse...

Cacá, endosso tua sensação: é um renascer que não tem explicação, mas nos leva ao um estado de êxtase sem igual. Eu sinto a alma extasiada!!
Espero que logo possa te chamar de amigovô...rs.

Retribuo teu carinho com um abraço e o desejo de uma noite perfeita!

Denise disse...

Olá, Rosélia. Que bom te encontrar aqui!
Eu concordo com vc: amor não tem idade e não obedece nenhuma imposição...os conceitos são amplos, mas quanto mais tentamos explicá-lo, mais nos afastamos do que importa de verdade, que é sentir...e viver o amor. Sou uma romântica incurável, não ligue...rs

Bjos

Denise disse...

Claro que vai ter registro dessa data e desse evento evolutivo de meu amoreco, Rê, amigamada minha...

Ah, saudade docêis que eu tava!!!
Bjãozão, minha irmiga queridona!

Denise disse...

Eu ainda não havia participado de uma blogagem coletiva, escolher começar falando de amor, foi um presente que a She me deu...ela é muito especial.

Eu teço sentimentos amorosos pelos amigos. Esta sou eu.

Parabéns pelas filhas e netos, Joe.

Denise disse...

Myriam, acho que o amor emociona a gente - seja qual for. Reli meu texto, escrito já há tantos dias, e confesso que senti um engasgo de emoção...amor bonito esse meu...

Um beijo pra vc!

Denise disse...

Zizi, acho que sim...tem uma coisa grandiosa entre nós...
Bjos, amiga!

RESILIÊNCIA disse...

Denise

O amor tem essas funções:

Primeiro nos mantém vivos...
e depois tem este papel, o de contagiar o mundo e as pessoas.
Fico feliz por você, e por todos os que estão ao seu redor.
um grande abraço

Denise disse...

Meu amigo Ari, querido...é bem verdade o que disse - passamos a vida trocando de papéis, acumulando funções, com muito amor!!

Tuas carinhosas palavras aumentam a felicidade que sinto.
Obrigada, um grande abraço pra vc tb!

Lúcia Soares disse...

Denise, até hoje não consegui ler os blogs todos que participaram da blogagem da She.
Sua história de amor é a melhor que existe.
Vi-me outra vez no nascimento dos meus netos.
Tenho 4. Três meninose uma menina.
Os meninos são da mais velha e a menina é da segunda.
Meu terceiro filho ainda não tem os seus.
É uma delícia esse amor!
Como alguém disse aqui, vai ver que delícia ele a conversar com você, argumentar, desobedecer...rsrrsr Sim, tem essa parte também! rsrsr
É um amor renovado, não sei se maior, igual...sei lá...Só sei que é bom demais!
Parabéns pelo netinho e por tão grande amor.
Bj

Denise disse...

Olá, Lúcia. Prazer em receber vc com esse comentário tão agradável - e recheado de verdades, já o vejo tagarelando e "me levando na conversa"...rsrs

Depois que a gente entende certas coisas da vida, aproveita muito mais, não é assim? esta benção eu recebo e curto com a alma leve e feliz...virão outros, e esse amor vai se multiplicar, ô coisa boa!!!
Um beijo, vovó tão babona quanto eu...rsrs

Zilda Santiago disse...

Fantástico ser avó!!!São minhas preciosidades.Tenho 9 que me alegram a vida!!!Curta muito!Parabéns.Também estou nesta da She!!Sigo-a.Bjksssssssssss

Denise disse...

Zilda, por alguma razão teu comentário ficou sem minha resposta - mas fico tentada a pensar que foi para poder manifestar, agora, a emoção de reler-me e observar que o amor se intensifica, embora sereno como nasceu.

Ele já fala uma porção de coisas, e foi delicioso o primeiro chamado: vovóóóóó...chorei, derramei o amor outra vez (são tantas durante este ano e meio...) .

O amor multiplica a resiliência que desenvolvemos, é poderoso na sua profundidade e infinitude.

Bjos pra vc...saio feliz por reeditar esses momentos, na alma e no coração.