“Planto flores no caminho para que não me faltem as

borboletas. Foram elas que me ensinaram que o casulo

não é o fim. É o começo."

Day Anne


7 de set de 2010

Sete de Setembro



Independência ou Morte



1888
Pedro Américo


Um texto da Martha Medeiros com esse título, eu já conhecia, e recebi outro nesta semana. Ilustrando o dia de hoje, cujo marco e importância todos conhecemos - e encontramos dados históricos fartamente pela rede - faço um paralelo com a vida, deixando o link de um áudio do texto do Túlio Henrique Pereira (só clicar aqui) e o texto da gaúcha - transcrito abaixo.




Independência ou Morte

Tem uma série de coisas que a gente deseja na vida: uma profissão que nos realize, uma intensa vida afetiva, viagens, amigos, descobertas.
Mas se eu tivesse que resumir em uma única palavra o que considero a mais importante conquista, esta palavra seria: INDEPENDÊNCIA.
No dia 7 de Setembro comemora-se a Independência do Brasil. No entanto, prefiro comemorar a minha, a sua, a nossa.
Não há quem não sonhe em trabalhar por conta própria, ser patrão de si mesmo. Os que conseguem, não trocam por nada. Como conseguir isso? Dominando um ofício, indo além do que os outros aprenderam, fazendo as coisas do seu próprio jeito, arriscando. Parece difícil...e é.
E mais difícil ainda ser independente no amor. Paixão não entra nessa conversa. Quando estamos apaixonados somos todos dependentes de telefonemas, de e-mails, de declarações, de presença constante. Já o amor, que é um estágio posterior, mais sereno e seguro que a paixão, permite o desenvolvimento da independência. Você não precisa estar em todos os lugares que seu amor está, você não precisa concordar com tudo que ele pensa, você não precisa abdicar de todos os teus projetos, você se sustenta, você conta, você existe. Tem gente que não abra mão disso por puro comodismo. Prefere ser uma sombra, um sparing. Defende-se dizendo que não tem outro jeito. Mentira. É uma escolha. Ir sozinha ao cinema, pagar suas dívidas, viajar, dirigir, não afligir-se (tanto) com a opinião alheia. Saber cozinhar pra si mesma, entreter-se com hábitos solitários como a leitura, pegar um táxi, resolver os próprios problemas, tomar decisões com confiança. Não “precisar” dos outros, e sim contar com os outros para aquilo em que são insubstituíveis: companhia, sexo, risadas, amizade, conforto.
Se você ainda não atingiu este estágio, suba num cavalo imaginário e dê seu grito do Ipiranga. Ficar amarrada à vida alheia faz você viver menos a sua.
Nada de fazer-se de desentendida só para não se incomodar.
Incomode-se.
DEPENDÊNCIA É MORTE.

Martha Medeiros




10 comentários:

Marilu disse...

Querida amiga, belíssimo texto adorei...Beijocas

manuel marques disse...

Um beijinho nesta data muito especial para o povo Brasileiro.

Beijinho para ti querida amiga.

Tati Pastorello disse...

Oi Dê, grande texto! Hoje esta blogosfera está muito reflexiva! hehe
Adorei. Ainda não ouvi o áudio, por que estas coisas não dá para fazer em dias de casa cheia. Farei à noite, ou amanhã... O texto é nota 10!
É o que todos buscamos, não é mesmo? Eu tenho aprendido sobre isso...
Beijos.

Denise disse...

Que bom Marilu. Fugi um pouquinho do tema oficial...rs
Beijos pra vc tb, boa semana!

Denise disse...

Obrigada amigo Manuel, como brasileira, rendo-me ao grito...rs
Retribuo o carinho, desejando ótima semana e enviando um bjo carinhoso.

Denise disse...

Sou suspeita, Tati, adoro a Martha. Acho que ela consegue abordar tudo (ou quase) que gostaríamos de falar. Neste texto, não foi diferente essa habilidade fantástica. E a gente segue aprendendo enquanto busca o que precisa, não é querida?

Ouça o Túlio, vale a pena!
Bjos, tô votando no Bê e noCê...rsrsrs

Ivana disse...

Oi Denise,
Cheguei tarde, mas espero que você tenha tido um ótimo dia. A última frase é como um puxão de orelha, aiii...doeu!!rs
Boa noite!

Denise disse...

Ivana, meu dia foi ótimo, obrigada, e tuas visitas tb. Nada de puxão de orelha, no máximo posso ter sido só uma emissária do universo...rsrs
Boa semana, querida! Se cuide...

tereza disse...

Ótimo texto Denise, obrigada!

Denise disse...

Tereza, compartilhar é a ideia principal.
Bjos