“Planto flores no caminho para que não me faltem as

borboletas. Foram elas que me ensinaram que o casulo

não é o fim. É o começo."

Day Anne


5 de abr de 2010

Amor doce


Steve Hanks

Decididamente, o de vó, é um amor diferente!
Sempre ouvi dizer que era o mesmo que ser mãe duas vezes. Concordo, se o aspecto considerado for o da disponibilidade para as noites tomadas pelas trocas de falda, mamadas e pouco descanso. Mas até assim é diferente, porque depois que somos mãe, o sono fica diferente, e pra sempre! O que acontece, é que precisamos de menor número de horas de sono, diferente da jovem mamãe, que precisa repor as energias físicas abaladas pela exigência de sobrevivência do seu bebê. E indo além, os dias são feitos de intensas atividades, mas neles só cabe disposição com muito amor, disponibilidade e entrega.
O "compromisso" para suprir parte dessa necessidade do bebê, é todo envolto no amor transbordante no coração de avó. Mas estou querendo contar da mansidão que invade a gente quando, no silêncio das madrugadas, cantarolamos baixinho para ninar o sono da vida que embalamos, num misto de emoções desconhecidas até então. Tudo o mais não existe fora do quarto silencioso, que abriga a respiração compassada do corpinho que seguramos, cheias de um amor sem medida. E o que dizer quando os olhinhos ficam atentos à nossa "conversa particular" que pode ser no meio de uma multidão, e nada interfere naquela cumplicidade daqueles dois corações? é de derreter o gelo de um iceberg, tamanha a força desse sentimento - tão doce que em nada se parece com o "vulcão" que explode dentro da gente quando chegam!!
Esse amor profundo- e muito doce - também deve ter relação com o fato de não carregar o ônus do papel daquele que educa. Aliás, dizem que a nós, avós, cabe o papel de deseducá-los! Brincadeiras a parte, o bônus é poder amar sem medida mesmo, sem restrição, dando à casa da avó as características de espaço onde é permitido e ofertado tudo de bom que existe. A maior casa onde cabe tudo isso - e onde mora esse amor renovado - é o coração que abriga esse sentimento que completa a parcela "mãe" que nos faz avós. Este amor que conhecíamos, forte, decidido e amplo, vem pleno da autorização máxima de amar. O amor doce de avó vem temperado pela generosidade da doação total, retirando o excesso das obrigações, abrindo espaço para celebrar a delícia de...simplesmente, amar!

12 comentários:

manuel marques disse...

Doce texto de uma avó babada.

Beijo.

Denise disse...

rsrs...sou babona mesmo, Manuel!!
Esse tiquinho de gente toma a gente por inteiro, é uma experiência fantástica, que escrever é só uma tímida tentativa de anunciar essas emoções.

Beijos

*Teresa Cristina* disse...

Não acredito q vc com esta carinha de menina já é vovó??....mas criança é alegria mesmo!!!
Bjss e boa semana pra ti!!
*Achei linda a imagem*Ü*

Denise disse...

Sou sim Teresa Cristina, e as fotos são recentes, viu?!...rsrs

estou amando esta experiência fantástica...a maternidade é perpétua mesmo, ela se multiplica...

Bjos e ótima semana pra vc tb!

* a sensibilidade do artista é fabulosa, concordo com vc...a precisão é tamanha que algumas telas parecem fotos...

Centro Ecológico Saberes da Vida disse...

Vem se transmutando
Originalmente vc e depois neles...
Vantagem de semente...
Os filhos... netos... te perpetuam !!!

É a vovó. Ramon

Denise disse...

Pois é Ramon, olha a sincronicidade do que acabei de responder acima para a Teresa Cristina...

Obrigada, amigo, pelo carinho.
Bjo

educalil disse...

Você é vó?

*Mi§§ §impatia* disse...

Ai deu saudade do amor da minha vó, realmente é bom demais, beijos.

Denise disse...

Sou Edu, há pouco mais de um mês! E olha que demorou...rs
Nem imagina como é bom!!!!

Bjos

Denise disse...

O amor de vó aquece a gente. Eu estou no outro lado agora, mas as minhas avós eram o máximo tb!! Meu neto vai poder contar muitas histórias sobre nós dois...rsrsrs

Bjos

Cida disse...

Ai Denise, que delícia de texto!

Concordo plenamente com você amiga, só sendo avó para compreender o tanto de magia e encantamento que existe nessa relação!

Estou há dois anos e dois meses esperando a minha ficha cair, e parece que até hoje ela não caiu...rsrs

Quando estou com a minha neta, a vida, de repente, se colore toda, e brota em mim uma energia que eu não conhecia nem quando era bem mais nova e estava começando a minha família.

Dizem que neto é a sobremesa que Deus dá para a nossa vida, e eu concordo plenamente.

Todos que me conhecem, dizem que eu fui mãe coruja e sigo sendo avó coruja... Temos mais é que ser, não é amiga?

Um beijo grande prá você e tenha uma excelente semana.

Cid@

Denise disse...

Interessante essa metáfora da sobremesa, Cida...realmente, vem depois do que parece ser a refeição principal - e é!! - mas adoça, complementa, recheia, completa, e é uma seqüência natural...o apetite voraz já foi preenchido pela maternidade, e a saciedade transforma o banquete, deixando-o menos ansioso...rs
Adorei tua observação...encaixa perfeitamente, como simbolismo.

Esta experiência trouxe colorido e sentido novo, abrindo caminho para todos os que virão somar esse afeto, que jamais será dividido, e sim multiplicado - mesmo que cada um tenha sua parte distinta.

Bjo de vó pra vó (a ficha tá caindo, deliciosamente devagar...)