“Planto flores no caminho para que não me faltem as

borboletas. Foram elas que me ensinaram que o casulo

não é o fim. É o começo."

Day Anne


19 de fev de 2010

Aprendendo a conviver com quem se ama


A proposta de trazer em capítulos (abaixo ordenados) o livro "Aprendendo a conviver com quem se ama" é um exercício particular que pode contribuir com quem quiser partilhar. O que for posto, será sempre seguindo o que o autor pensa, conjugando citações no texto, sem inferências. Como tudo é subjetivo, minha leitura também não fica isenta de minha percepção, porém, a idéia não é discutir com o autor, talvez no final do exercício sim, abra uma crônica para colocar-me pessoalmente, falar do que ficou da leitura.

Para compreender Walsch, penso que devo sugerir que se dissolvam conceitos anteriores sobre relacionamentos, entrando nus na leitura, abertos ao que iremos encontrar de novo, para permitir que alguma diferença se instale dentro dos nossos paradigmas enraizados. Não há outra forma de quebrar a rigidez da visão de mundo que construímos.

Boa viagem!

2 comentários:

Jeanne disse...

Salvei a matéria para ler com calma.
este assunto me interessa muito.
Tenho muito que aprender ainda,rsrsrs...
Beijos

Denise disse...

Que legal, Jeanne. Valeu ter "soltado" a dica, como sugeriu a Rejane.

Esse assunto é eterno...rs...ou melhor, o aprendizado, é!

Bjos pra vc!