“Planto flores no caminho para que não me faltem as

borboletas. Foram elas que me ensinaram que o casulo

não é o fim. É o começo."

Day Anne


6 de mai de 2009

Pai
















É tão calma a noite, disse Moacyr.

Tudo tem suave encanto, afirmou.

E quando a noite vem,

no mundo não há mais ninguém.


Não concordo, nem discordo.

Quero pensar que vai além,

fazer outras ponderações...

De jeito suave, falar do amor.


Frágil é a vida, penso eu.

Ela mora no templo do corpo,

Desfaz os encantos dos sonhos

e cobra o desfecho, partindo de alguém.


Ah! meu pai, que provocou meu choro

por nos teus braços, enfim, comemorar.

Valsamos juntos, pra lá e pra cá,

no compasso de uma enorme emoção!


Nem tão frágil assim ela é,

Já que permitiu, entre tantas realizações

Ver-nos crescer e multiplicar,

Esperando a chegada da terceira geração.


Que na calma noite repouse o abrigo

da alma que veio para amar, silenciosamente.

Só não me conte a data da partida...

Ao sair, feche a porta, simplesmente.

Nenhum comentário: