“Planto flores no caminho para que não me faltem as

borboletas. Foram elas que me ensinaram que o casulo

não é o fim. É o começo."

Day Anne


23 de abr de 2012

Esqueci o livro!

Eu pretendia deixá-lo na sala de espera de um consultório médico. Como eu seria a primeira paciente, num horário em que tudo ainda é meio vazio na Clínica, ia "esquece-lo" num cantinho do sofá, mas a secretária é eficiente e, na minha saída, devolveu-me o "perdido"...rs.
Ela não deve ter abeto a capa, ou até o fez, mas não se interessou pelo tema - jovem, e casada! - razão pela qual decidi que ele iria comigo para meu próximo compromisso. Agradeci com um sorriso enigmático e saí. Desta vez tive mais sorte e pude esquece-lo na bancada rebaixada da portaria de um prédio comercial que tem um fluxo enorme de pessoas.
Acho que este era o lugar para ele encontrar quem precisasse dele, e não ser encontrado por alguém...rs

Abaixo as fotos dele e do bilhete que colei - clicando na imagem, dá pra ler!



Bilhetinho



No livro Divórcio Espiritual, o divórcio como catalisador para uma vida extraordinária, da Debbie Ford, a autora mostra que a devastação emocional que ocorre por ocasião da separação, pode ser uma chamada para o despertar espiritual quando se atravessa a fase de ruptura e adaptação à nova vida. Ela discute como a criação de sentimentos e emoções podem derrotar o ressentimento, a raiva, a impotência, encarando o vazio existencial que costuma tomar conta da maioria das pessoas que vivem a experiência da separação, como uma experiência esclarecedora a cerca de si mesmo, da existência, envolvendo valores e crenças.

Quando a relação termina, inicia uma fase de conflituosos sentimentos, onde é comum os filhos arcarem com boa parte do ônus, enquanto o ex-casal se torna um estranho, um [quase] inimigo. O sentimento de fracasso e de perda tendem a tornar esse momento mais crítico do que já é, acusatório, vingativo, opressor. Debbie Ford lança luz a este caos, numa visão muito bonita sob o olhar espiritual.

Como o número de divórcios é assustador e conheço na pele e na clínica seus efeitos devastadores, e foi uma leitura valiosa na época em que me reestruturava, dando os milhões de passos para a cura da alma, avalio que possa servir para mais pessoas esta visão reconfortante e inovadora.


28 comentários:

Cristina disse...

Que belo projeto Denise, "esquecer" um livro para que tantos outros se aproprie do prazer da leitura, e o tema que você escolheu, ou melhor o livro irá ajudar a tantas pessoas que passam por esse momento de ruptura tão difícil. Você é encantadora amiga, sempre utilizando da palavra e nesse caso para crescimento espiritual. Que você tenha uma linda semana! Um grande abraço!

R. R. Barcellos disse...

Gozado... semana passada "esqueci" um exemplar de O Outro Nome da Rosa na sala de espera de uma clínica... só que em vez de bilhete, escrevi uma "dedicatória" no mesmo sentido: "A você, que achou esse livro..."
Quando saí do consultório, ele havia sumido...

Beijos, inspiradora de mim.

Valéria disse...

Oi Denise!
Muito legal sua participação e seu bilhetinho foi bem explicadinho e simpático.
Beijinhos!

Denise disse...

Esse projeto está na sua quarta edição, Cris, e o sucesso está no bem que faz - a quem desapega do livro e a quem partilha dele...achei bárbara a iniciativa das meninas, e aderi desde o início!
Se vc quiser, pode "comprar" a ideia e esquecer por aí algum dos teus...a sensação é muito boa!!!

Uma semana maravilhosa pra vc tb, querida!
Bjos com carinho!

Denise disse...

Se eu tivesse encontrado o livro do próprio autor, noooossa, ia ficar duplamente feliz...quem sabe ainda não vou esquecer vários por aí, né querido? Abrir mão de nossos bens é um exercício bonito de desapego, nem sempre fácil, mas sempre compensador!!

Agora, ser inspiradora de ti, taí uma coisa de que não abro mão!! Amo-te!
Bjos, Mago!

Denise disse...

Obrigada Valéria, eu curto muito essa campanha! Acho que a iniciativa é mais prazerosa pra quem se mobiliza...e o resultado deste ano me deixou surpresa!!

Beijos, amiga!

Yoyo disse...

Muito bacana mesmo essa campanha. Adoro!
Libertei hoje, o meu livro

Sozynho disse...

Olá, Denise!
Não tenho dúvidas de que ajudará outras pessoas também.
Bjs!
Rike.



P.s.: obrigado pelo carinho.

pensandoemfamilia disse...

Oi Denise

Tenho gostado de participar. Seu livro parece bem interessante. Libertei o meu durante a caminhada.
Esta é uma proposta que tem tido um aumento de adesão.
bjs

ValeriaC disse...

Que legal querida!
Um livro fantástico com certeza, um tema que precisa ser mais trabalhado, pois separação é algo que abala demais os envolvidos.
Espero que seja lido, que a aprendizagem ocorra mesmo que seja a um nível de conhecimento, mesmo que a pessoa não esteja passando por isto no momento. E que seja repassado mantendo esta corrente maravilhosa.
Beijos,
Valéria

Milene Lima disse...

É mesmo uma iniciativa bacana... Eu adoraria acompanhar o percurso do livro, e depois, e depois... O comportamento humano definitivamente me instiga.

Beijos, Beijos!

She disse...

Hahaha legal que vc participou! Ainda não consegui, mas vou tentar... hehe Beijo, beijoooo
She

Macá disse...

Denise
Obrigada pela visita e pelo Parabéns ao meu filhote.
Essa foi a 1ª vez que não participei desse movimento para "esquecer" um livro. Eu é que ando meio esquecida, acho.
Mas no 2º semestre eu participo novamente. Acho muito legal. Eu queria, um dia, encontrar um livro assim. Deve ser uma sensação muito boa.
beijos

Denise disse...

É verdade, Yoyo, participar ensina e contribui pra gente desapegar - e aumenta a iniciativa dessa atitude tão bacana!

Bjos

Denise disse...

Olá Rike, seja muito bem-vindo ao meu Tecer, sinta-se acolhido com carinho aqui, vc está entre amigos...rs

Grande abraço!

Denise disse...

Oi Norma,

essa adesão não é só pelo gesto, na minha opinião, mas pela satisfação que NOS DÁ! Ganhamos nós aprendendo a repartir, a desapegar...vejo várias pessoas comentando da dificuldade em deixar ir seu livro....é uma ação que alcança mais do que parece!

Minha escolha tem a ver com o quanto foi importante a leitura pra mim - muitas vezes um único capítulo do livro vale a leitura, não é?
Esse, vale muito!

Bjos

Denise disse...

Que lindo teu pensar Valéria, é isso, que haja esse entendimento, ainda que a nível de informação...até pq, essa "filosofia" se estende as demais áreas da vida - não somos seres separado, mas integrados numa linda unicidade de ser, sentir, existir, pensar, evoluir...

Adoro tuas visitas, querida!
Bjinho

Denise disse...

Pois é Mi...eu tenho a mesma vontade, e sinto o mesmo sobre o comportamento humano...é incrível tentar entender como nos organizamos enquanto seres.!!

Bjos, moça querida e sensível!

Denise disse...

Tô nessa desde a primeira, She...adorei participar...tenho aprendido sobre desapego, partilha, união...muito, muito bom!!

Bjinho, minha linda!

Denise disse...

Já pensei sobre isso, Macá...acho que eu tb gostaria de passar por essa experiência...talvez devêssemos, entre nós, "despedidores de livros".....fazer uma doação-surpresa via correio.....seria legal, né? Um sorteio pra ninguém ficar sem seu livro, e o envio....gostei da ideia!...rs

Bjos

Leonel disse...

Eu já tinha ouvido sobre esta positiva ideia de "esquecer" livros para serem encontrados.
No nosso país, tem mesmo que dar livros, para ver se as pessoas que querem levar vantagem entenderão que a maior vantagem é o saber!
Abraços, Denise!

Luma Rosa disse...

Denise, já estive várias vezes no seu blogue e comentar só agora tive um tempinho. Obrigada por participar do BookCrossing Blogueiro!! Estamos lançando sementes, assim como outras pessoas com seus projetos de leitura. No final, queremos um país melhor, um mundo mais humano e a leitura é um caminho para a abertura das mentalidades. Beijus,

Denise disse...

Pois é Leonel, ainda que sejamos gostas nesse oceano, a cada vez cresce o número de adeptos e a divulgação - eu, por exemplo, divulguei a ideia por e-mail, sem a obrigatoriedade de nada, apenas escolher um livro e deixa-lo em algum lugar que houvesse fluxo de pessoas...não sei se houveram adesões silenciosas, mas acho que semear a ideia já é um começo, né?

Um abração pra vc tb!
Bom feriado!

Denise disse...

Luma, nada a agradecer, aderi à filosofia do BookCrossing Blogueiro pq achei genial e pq faz bem a mim mesma esta partilha, este semear, o desapego.
Fico feliz a cada livro que liberto!

Já estou pensando em qual será o próximo....rs
Bjos, querida!

Sueli Gallacci disse...

Que belo esse projeto, Denise!
Já sabia dele, mas ainda não 'esqueci' nenhum, não... sinto um ciumes danado dos meus livros! rsrs

Ai,ai sou meio egoísta né... Mas vou aprendendo por aqui, com esse seu coração grande e generoso!

Bjo enorme querida amiga!

Denise disse...

O desapego não é fácil, né Sueli?
É um exercício que requer tempo, treino, boa vontade....e recomeços...rsrsrs...muitas recaídas fazem parte do processo...eu admiro muito quem evolui nessa arte de ser desprendido ao ponto de abrir mão de coisas que parecem indispensáveis, inseparáveis... ainda chego perto, tô no treino, amiga, no treino ;)

Adoro te encontrar aqui!
Bjos, queridona!

Tais Luso disse...

Oi, Denise, confesso que não entrei neste projeto, mas faço diferente: de vez em quando dou uma revisada na nossa biblioteca e acho alguns livros que não nos interessam mais ou que até tenho duplo, pois aqui somos dois obsessivos por livros. E muita coisa voa daqui para a casa dos filhos. Mas quando vejo, estou com o livro que já havia comprado...

Bem, quanto a esse livro da postagem, Divórcio Espiritual, que fala nas separações, realmente é algo penoso quando acabam os relacionamentos: briga-se por as mais inusitadas coisas, seja por uma torradeira velha, por 1 metro de terreno a mais ou a menos, por um carro que vale pouco, o negócio é deixar o ex na penúria, despejar todo o ódio por algo que deveria dar certo e não aconteceu. As relações hoje duram muito pouco, em média 3 a 5 anos. Depois deu.

Penso que falta muito hoje em dia; tudo ficou fácil; as ofertas transbordam, a realização pessoal está na frente da familiar e daí pra frente. O espírito do casamento não é mais igual, há um individualismo muito perceptível nesse mundo novo.

Grande beijo, amiga!
Tais

Denise disse...

Tais, sempre muito bom refletir com vc...

O mundo está individualista, embora pelo nosso caminho passem pessoas que ainda prezam e vivam a família como um valor forte. Ainda que seja em conflito, muitas vezes observamos uma luta sem fim em defesa do amor, das relações...equilibrando necessidades materiais com desejos existenciais.

Os livros oferecem tantas possibilidades - aprendizado, viagens, cultura, receitas, humor, poesia...- que é impossível ficar indiferente aos seus encantos...tb sou obsessiva por eles...e ja encontrei exemplares repetidos....mas sempre emprestei e tomei emprestado...acho que já praticava este compartilhar de uma outra maneira..tô gostando e aprendendo a abrir mão de alguns...eles já fizeram por mim o que era importante.

Outro beijo, querida!
Bom fds!