“Planto flores no caminho para que não me faltem as

borboletas. Foram elas que me ensinaram que o casulo

não é o fim. É o começo."

Day Anne


29 de nov de 2011

Qual é o sinal?




O sinal fechou e eu, a contra gosto, parei. [Estava atrasada...]
Pois é, tá ficando sintomático isso...rs

Voltando, mal o carro parou, dois rapazes se aproximaram da janela, um deles munido de uma câmera. O sorriso que acompanhou o pedido para baixar o vidro me convenceu - uma simpatia mesmo, conferi na seqüência. Era uma entrevista relâmpago, me disse ele, uma única pergunta [tá certo, eu respondo, moço (chamava Rodrigo, escrito no crachá de identificação)].

- Como você vê o trânsito da nossa cidade?
Bem, pra te falar do trânsito, vou precisar falar das pessoas - o trânsito só é o reflexo, o sintoma do que está acontecendo com a gente. E não vou te falar do estresse como causa, porque vai além...o caos das ruas está na ansiedade, na intolerância dos sujeitos, no desrespeito, na falta de educação, do bom senso e na pressa - e antes que eu prossiga narrando, veja minha frase inicial, logo, me incluo, mesmo evitando cometer infrações!
Além disso, tem a galerinha distraída...com a(o) namorada(o) do lado, com o filho na cadeirinha do banco de trás, com a música (se tocar a sirene da ambulância ou da Polícia, quem ouve??), com o celular, com o iIsso, o iAquilo...rs. E, muitas vezes, o que mais distrai é o devaneio em busca das soluções para os problemas...a gente viaaaaaaja procurando a melhor alternativa enquanto o farol fecha - quando abre, o apressado de trás cutuca e a gente, instintivamente, acelera...
Hã...Resumir?
- Quer saber? acho que as pessoas não se dão conta, seus comportamentos são apenas o reflexo daquilo que muitas vezes nem percebem, e assim, no trânsito, evidenciam a sua desorganização interna, dirigem seus carros como suas vidas: desatentos, displicentes, atropelando-se, e não diminuem a marcha até serem paradas - pelo guarda, pela doença, por quem não agüenta conviver com a loucura...
- Hein? Qual é minha profissão? Mas não era uma pergunta só?, respondi rindo já esperando o sorriso que vi, acompanhando a lógica dele: - logo vi! Obrigado, moça!

Abriu o sinal e eu segui, pensando: qual afinal, é o sinal que estão me dando? (ou que estou recebendo?)

16 comentários:

Milene Lima disse...

Acabei de ler uma notícia num site de Maceió, dizendo da morte de um motociclista que colidiu com um carro. O motorista agrediu o rapaz e atirou 6 vezes contra ele, sem se importar com o moço que prometia pagar o estrago.

Sem mais.

Estamos loucos.
Quem nos salvará?

Tenho certeza que você contribui pra que essa loucura da vida moderna seja menos turbulenta, com sua educação e elegância.

Beijos, nêga-loira.

R. R. Barcellos disse...

Educado, esse sinal de trânsito... esperou o término da entrevista de uma só pergunta para abrir. Acho que ele se abriu num verde mais luminoso, ao ouvir sua resposta... como eu.
Beijo, cara motorista consciente (mas só no próximo sinal vermelho).

pensandfoemfamilia disse...

Bom dia
Tenho gostado das suas cr\õnicas, enfatizando estes nossos dias.
bjs

Ivana disse...

Olá Denise

Não podemos analisar de uma maneira geral, pois cada pessoa tem um perfil, um histórico, é mais profundo que podemos imaginar. Por que as pessoas não respeitam as leis de trânsito? Por que as pessoas cometem infrações no trânsito? Por que as pessoas andam em alta velocidade? São questões complexas. Existem fatores(muitos) que as pessoas carregam, e descarregam no trânsito. Quem passa por isso deveria fazer análise, se conhecer melhor, entender as causas, evitando prejuízos financeiros(multas) e acidentes de trânsito, colocando sua vida e dos outros em risco.

Mais um texto com questões atuais muito importantes, principalmente por se tratar de vidas.

Obrigada pelas suas visitas sempre tão gentis, com a amizade e o carinho de sempre. Um dia maravilhoso pra você, bjo

Só faltou dizer com o canal que você apareceu, chic, rsss

Leonel disse...

Denise, pelo que eu costumo ver nessas tomadas de TV, provavelmente você deve ter deixado a moçada confusa, pois me parece que eles só gostam de mostrar opiniões superficiais.
Quando alguém dá uma opinião recheada de fundamentos como você fez, eles devem achar que "confunde os telespectadores", pois pensam que seus telespectadores não tem cérebro nem opinião.
Ou pelo menos, assim me parece...
Abraços!

Regina Rozenbaum disse...

Qual o sinal? Fácil de responder: SIGA EM FRENTE!Na missões (e vc bem sabe) e constantes ações...SIGA EM FRENTE!
Beijuuss, irmigamada, n.a.

manuel marques disse...

"Seguir a sensibilidade, observar os sinais, compreender os rumos."

Beijo meu.

Denise disse...

Que horror, Mi!
É de causar espanto o ponto a que a violência gratuita chegou - uma vida perdida em nome de que??

A vida moderna cobra seu ônus...tb pago minha parcela, moça...

Bjos, flor rosada!

Denise disse...

Eu imagino Rodolfo, que eles escolham cruzamentos demorados como esse para que possam colher a colaboração dos motoristas. Se eu não estivesse focada no assunto, talvez tivesse atrapalhado o trânsito me prolongando, ou devaneando, curtindo o minuto celebridade...

Bjo

Denise disse...

Oi Norma, acho mais fácil falar daquilo que a gente conhece, que vivencia - embora muitas histórias retratem os fatos. E, é evidente, este momento reflexivo ajuda a manter o foco...

Bjos

Denise disse...

É verdade Ivana, as generalizações são perigosas, mas, neste caso, vejo o trânsito como um todo - aqui na minha cidade está agravado por obras que nunca terminam, estamos morando num gigantesco canteiro de obras...não tem mais horário tranqüilo pra transitar no centro da cidade, o que faz com que os caminhos alternativos estejam sendo mais disputados.
Tb observo as pessoas de outras cidades, e concluo que está ficando comum ver gente xingando, buzinando, jogando luz, fazendo sinais pouco amistosos enquanto aceleram seus carros, sem paciência nenhuma.
Vindo pra casa, parei num McDonald (é, hj mandei o regime pro espaço!), debaixo de uma chuva bem forte. Logo uma fila se formou (pq na chuva td se complica, alguém sabe me informar?) e um carro esperava para entrar numa brechinha para fazer o pedido...eu contei: na minha frente tinham 5 carros, nenhum parou, colado no para-choque do carro da frente...foi apenas pela fome ou gentileza está cada vez mais rara...?

É claro que cada um se comporta de acordo consigo mesmo, talvez resida aí o início da dificuldade...se nos orientássemos baseados no contexto geral, os comportamentos seriam mais de acordo com o bem comum, com respeito aos demais...mas é claro que as opiniões se dividem, e todas são merecedoras de respeito, aqui compartilhamos ideias - que bom que vc veio dar a sua, obrigada!

Um abraço!

Denise disse...

Leonel, não pude ver, mas me disseram que saiu meu depoimento...poxa, tomara que não tenha confundido ninguém...rsrs
Mas concordo com vc sobre isso, observo que poucos se aprofundam. Na verdade, eu repito, estou focada em minhas observações, acho que isso fez a diferença...e tem tb quem trave na frente de uma câmera...o que não é meu caso...srrsrs

Tão bom vc por aqui, obrigada pela presença carinhosa!
Bjos

Denise disse...

Se vc diz, Rê_zininha...rs...eu vou!
(eu sei sim, e digo mil vezes SIM)

Bjãozão, irmiga!

Denise disse...

Talvez, enxergar por trás dos altos muros, através dos obstáculos, não é meu amigo querido??

Beijo, Manu!

Toninhobira disse...

Gostei da entrevista neste sinal fechado.Tanta coisa pra dizer e refletir num on/off,pois na realidade estamos como maquinas aceleradas e assim perigosos.É o caos ou proximo dele Denise.Os sinais estão a todo momento surgindo em nossa frente,mas a poeira da rua cobre nossos olhos e vamos por aí,como maquinas.Um pouco de Paulinho da Viola/Chico para ver como tudo acontece rapidamente a nossa frente.
Linda e dura sua reflexão.
Meu carinhoso abraço de paz e luz.
Bju.

Denise disse...

Pois é, Toninho...vou mudar um pouco o foco pra ter olhos de ver coisas mais amenas...embora os sentimentos nos tomem de assalto e não possamos evitar...

Grata pela visita sempre carinhosa.
Um abraço forte!