“Planto flores no caminho para que não me faltem as

borboletas. Foram elas que me ensinaram que o casulo

não é o fim. É o começo."

Day Anne


7 de out de 2010

A delícia de ser babá - babona!


Mamãe e papai precisam ser casal - sair namorar, esquecer o relógio por umas horas, falar de coisas que não tenham a ver com filhos, distraírem-se na companhia de amigos. A sorte de nós três é que existe um quarto elemento nessa história, que atende pelo nome de : esta, que cuida de mim para os dois cuidarem um pouquinho de si - e do outro.

A retrospectiva mostra uma disposição invejável que só os 20, 30 anos, nos oferece - tanto que esta é a idade ideal pra sermos mães. Certo. Eu costumava pensar: como estará minha coluna quando tiver que embalar um neto pra dormir? e se ele chorar na ausência dos pais, terei a paciência necessária para acalmá-lo? saberei distraí-lo o suficiente até que retornem? a responsabilidade cheirava à naftalina que mantinha o receio vivo em mim. Pois chegou o tempo de ser avó, e estou vivenciando um período mágico da vida, descobrindo que tenho flexibilidade para juntar o brinquedo arremessado no chão mil vezes, aconchegar no meu o corpo sonolento depois de dar banho - e ficar maravilhada com o sorriso festeiro do menino que alaga o piso enquanto derrama amor no meu peito...
Distrair um neto é sentar-se no chão e brincar com as novidades que não conhecia - quem sofre enquanto se diverte?? Acalmar seu choro é sentir o pranto ceder e a respiração acalmar, enquanto o corpo se entrega no conforto do colo da vó, que ensaia canções e sussurra carinho. Isso tudo é muito distante dos medos que tive, e a experiência de dar tchau para os pais, incentivando-os à divertirem-se, prometendo ligar se a situação escapar do controle, é esconder o sorriso feliz da alegria que é curtir esse momento só meu e dele, quando posso olhar com demorada atenção cada traço adorado de seu rosto adormecido, viajando no tempo para matar a saudade de um bebê tão parecido. O milagre da vida respira no menino que dorme em meus braços, enquanto ondas de ternura embalam meus pensamentos.
Ser avó é uma delícia que estou descobrindo há mais de sete meses, e adorando as surpresas que essa condição me trás. Supera tudo que imaginei, é um presente desta vida que adoro contar que ganhei.
Ele dorme neste instante, enquanto seu ressonar está aqui colado em meus ouvidos - a babá eletrônica é um instrumentos precioso que me acompanha desde os primeiros dias de sua vida. E por isso posso (d)escrever sobre esta minha noite de avó, depois de um dia que começou cedo e foi corrido até poucas horas atrás. Um corpo que não tem a vitalidade de uma mãe, mas que se rende ao prazer absoluto que é o de estar cuidando desse serzinho que logo estará pedindo as coisas, recheando de encantos nossas horas de vovó-que-o-ama, e que nesta noite aproveita a delícia de ser babá - babona!...rs

*Na última frase ouço a chave girando e a porta sendo aberta. Chegou o casal. Ele ressona, como que para confirmar que podemos muitas noites e dias, neto e avó ficar. Agora somos quatro novamente - mas minha noite é unica na memória de avó que vou somar...

18 comentários:

Cida disse...

Ai, amiga, concordo plenamente com você quando diz que supera tudo o que a gente imaginava antes de ser avó... E como supera! No início a gente até se assusta, pois parece que nem estava preparada prá tanto amor!...:)
Coração de mãe, coração de avó... no fim é tudo a mesma coisa. A gente se desmancha por estas criaturinhas, e uma vez mais se preocupa... e uma vez mais pede a Deus que lhe de o melhor dos mundos... e uma vez mais quer lhe poupar todas as lágrimas, mas percebe que isto tudo faz parte da vida, e que o que nos resta é torcer por eles e amar tanto que às vezes parece até que o coração vai estourar.
São crias das nossas crias, e as enxergamos como um milagre duplicado.
Bom demais, não é amiga?
Nem me fale!...rs

Boas curtições prá você.
Daqui a alguns dias vou estar curtindo a minha :)

Beijo no core

Cid@

Marliborges disse...

Ô amiga, assino embaixo do que você disse. Adoro quando meus netos vêm posar aqui comigo. A gente brinca de montão. Eu sento no chão com eles. É claro, no outro dia estou dura da coluna, mas meu coração está feliz.
Bjsssss

Ivana disse...

Oi Denise,

Compartilhei com alegria palavra por palavra desse texto encantador. O menino da foto é o seu neto? Ele é lindo demais! Não vou lhe enviar um abraço, o momento pede um babador, então um babador para você, rsss

pensandoemfamilia disse...

Olá Denise
Muito lindo seu sentir como avó. Que vc possa usufruir bem deste lugar especial. O ser criança cuidada e feliz é essencial ao nosso desenvolvimento. pensando nisto lancei no meu blog uma Série Eu fui criança, vá ver minha proposta e ler o primeiro relato da amiga Beth,
bjs

manuel marques disse...

Me emocionei com o teu texto.

Ser avó é sentir felicidade
É conhecer um amor doce, profundo,
É viver de carinho e ansiedade,
É resumir nos netos o seu mundo!

Beijinhos meus e bom fim de semana.

Regina Coeli disse...

Olá Minha Doce Amiga,

Quanta ternura!!
Quanta bênção!!
Seu NETINHO é um afortunado por ter uma AVÓ tão especial, sensível, com um coração tão grande!!!
Quantas alegrias e emoções você está experimentando!!!
As lágrimas rolam devagar, silenciosamente...
Estou indo dentro de poucas horas passar 2 semanas com meu filho e minha nora em CERES, Estado de Goiás.
Eles estão vivendo a entrada do 4º mês de gestação e se tudo correr bem quero participar com muito carinho desse tempo de espera...
Fique com Deus, minha Doce Amiga!
Com carinho,
Regina Coeli

Jeanne disse...

também sou vovó babona! E quem não é?
O meu já está com 10, as necessidades são diferentes, mas o amor é o mesmo,rsrs
Beijos :)

Denise disse...

"São crias das nossas crias, e as enxergamos como um milagre duplicado"
Bom demais sim, minha amiga - e olha, não tem cansaço que perdure e resista a um sorriso de meu neto, juro...rs

Já com gostinho de quero mais, desejo que vc curta a tua bonequinha bastante, amigavó!
Bjo com carinho!

Denise disse...

Pois é Marli, mas como o meu mora longe, eu tenho que curtir muuuiiito, aproveitar tudinho que puder...e eu não me poupo...rsrs
Bjão, amiga! bom te ver aqui!

Denise disse...

rsrsrs...adorei o babador, Ivana, serviu como luva...rssssss

Não, esse bebê lindo não é meu neto...preciso dizer que acho o meu ainda mais encantador??...rs
Ele é moreninho como o pai e tem cabelo liso, um sorriso maravilhoso de um dentinho só...rsrs...e é uma paixão...tô usando babador, posso me fartar...rsrsrs
Bjo, amiga querida!

Denise disse...

Oi Norma, dei um pulinho rápido pra ver tua sugestão, e a ideia me encantou de cara - certamente assim que puder, volto pra ler com calma.
O depoimento da Beth me fez pensar em um projeto já em andamento, que, assim que for mais oportuno, posto aqui para compartilhar com os amigos.

Ser uma criança amada e bem cuidada é muito importante para o desenvolvimento infantil, período do ciclo vital mais relevante para a construção do indivíduo...mas antes mesmo de saber disso, já fui uma mãe "louca pelos filhos", ser agora uma avó apaixonada é só uma extensão de meu amor natural...e bota amor nisso...rsrs
Bjos, ótimo fds pra vc!

Denise disse...

Que lindo, Manuel! obrigada por trazer pra mim um verso de puro amor e emoção - vc a sentiu pq leu com o mesmo coração de quem escrev-eu!

Beijo com carinho, meu amigo querido!

Denise disse...

Minha querida Regina, claro que tudo vai correr bem e vc vai experimentar o que não tem muito como explicar: esse amor que se derrama dentro da gente, mesmo!
Eu via e ouvia avós babando nos seus netos, e sempre soube que seria maravilhoso quando fosse minha vez...o que não sabia era o quanto!...rs
Te confesso que não vejo a hora de ouvir uma vozinha me chamando...falta pouco...e eu acho que vou chorar de emoção...será??...rsrs
Bjo, faça uma boa viagem e viva momentos lindos junto aos teus amores!!

Denise disse...

Jeanne, querida, saudade...
É, vejo minha mãe - agora bisavó! - curtindo meu filho (seu primeiro neto) como faz desde que ele nasceu. Acho que comigo vai ser igualzinho...rsrs
Bjos, querida!

Regina Rozenbaum disse...

Minha moça linda de viverrrr, amada!
Já lhe disse há algum tempo que ainda não passei por essa maravilhosa experiência de vermos a continuidade da semente primeva "florescer"...mas com cada relato seu me dá uma vontade rsrs. Sei que esse dia irá chegar...tudo a seu tempo. E quando acontecer hei de me lembrar de cada sentimento aqui tecido por vc!
Beijuuss n.c.

www.toforatodentro.blogspot.com

Tais Luso disse...

Que belo texto, Denise! Tá transbordando de felicidade e amor. Ainda não sou avó, mas lembro da minha com muito carinho, até lhe fiz uma crônica que estou esperando para soltá-la. Para os netos é muito importante o convívio com suas avós. É aquela amiga que faltava, aquela conivência que não tivemos na mãe, talvez. Avó marca para sempre, pois seu olhar não recrimina; e de seus lábios só saem palavras amigas e doces. Pelo menos é o que guardo da minha que se foi, mas um dia ainda nos encontraremos para continuarmos as brincadeiras e dar prosseguimento ao convívio. Seu nome era Estrela, e deve, agora, ser uma delas realmente.
beijos

Denise disse...

Ah, Rê, minha amiga querida, sei bem que esse tempo de espera é uma delícia que permite alguns devaneios sobre ser avó, e mais tarde vemos, eram lindas possibilidades, embora pálidas diante da absoluta e profunda grandeza que é ter no seio da família, aquele serzinho que toma o coração - e a vida da gente! - de assalto...rs
Vc vai curtir sim, e muuuuuiito, e trocaremos figurinhas sobre muitas coisas relacionadas a esse ciclo lindo das nossas vidas.
Adorei te encontrar aqui, cheia de afeto e alegria, como sempre!!
Te espero com saudade, mas convicta de que chegará ainda melhor do que estava quando "saiu pelo mundo'...rs

Bjo beeemmmm grandão!!

Denise disse...

Oi Tais, adorei saber que tenho uma crônica linda pra ler, sobre a sua avó querida, aguardo ansiosa...rs.

As tuas considerações tb se assemelham muito com o que penso/vivo como avó - e fico sempre a imaginar como será quando crescer, e quantas vezes serei cúmplice/conivente/amiga...e com neta menina será diferente em quê...e por aí vai...rsrs

Fui criada por minha avó paterna e sua presença é muito forte em mim - tanto que difiro de meus irmãos em muitos aspectos - então talvez possa dizer que compreendo o que quis dizer. E concordo!

Como sempre, é muito gostoso te encontrar por aqui!!
Grande abraço e um ótimo fds!