“Planto flores no caminho para que não me faltem as

borboletas. Foram elas que me ensinaram que o casulo

não é o fim. É o começo."

Day Anne


3 de jun de 2010

As quatro leis da Espiritualidade

Steve Hanks

Este texto recebi da amiga Tere, que inspirou-se no Blog que seguimos "Fragmentos da Alma".
Como nada chega por acaso, eu o li quando postado, hoje voltou para mim, vou compartilhar. Vai que devemos expandir estes ensinamentos, por isso retornam?



Na Índia, são ensinadas as "quatro leis da espiritualidade":

A primeira diz: "A pessoa que vem é a pessoa certa".

Ninguém entra em nossas vidas por acaso. Todas as pessoas ao nosso redor, interagindo com a gente, têm algo para nos fazer aprender e avançar em cada situação.

A segunda lei diz: "Aconteceu a única coisa que poderia ter acontecido".

Nada, nada absolutamente nada do que acontece em nossas vidas poderia ter sido de outra forma. Mesmo o menor detalhe. Não há nenhum "se eu tivesse feito tal coisa..." ou "aconteceu que um outro ...". Não. O que aconteceu foi tudo o que poderia ter acontecido, e foi para aprendermos a lição e seguirmos em frente. Todas e cada uma das situações que acontecem em nossas vidas são perfeitas

A terceira diz: "Toda vez que você iniciar é o momento certo".

Tudo começa na hora certa, nem antes nem depois. Quando estamos prontos para iniciar algo novo em nossas vidas, é que as coisas acontecem.

E a quarta e última afirma: "Quando algo termina, ele termina".

Simplesmente assim. Se algo acabou em nossas vidas é para a nossa evolução. Por isso, é melhor sair, ir em frente e se enriquecer com a experiência. Não é por acaso que estamos lendo este texto agora. Se ele vem à nossa vida hoje, é porque estamos preparados para entender que nenhum floco de neve cai no lugar errado.

10 comentários:

manuel marques disse...

Bonito texto .

Beijo.

Denise disse...

Sabe Manuel, eu creio firmemente nessas leis - ainda que precise de "tempo" para digerir a todas...

Beijo

Zé Carlos disse...

Denise minha paixão, adoro tudo o que vc posta, mesmo sendo como vc disse "precisando de tempo para digerir".

Obrigado pelo seu comentário. Eles não são mais encantadores por falta de espaço mas são tão encantadores quanto a autora que é esta garotinha linda e maravilhosa.

Beijão menina, e não desapareça.... bjs do ZC

Denise disse...

ZCarlos, se existir uma mulher com auto-estima rebaixada, vc eleva na hora!!...rs

Obrigada, meu amigo, pela tua presença carinhosa.
Bom restinho de feriado...bjão pra vc!

Regina Rozenbaum disse...

Denise, moça linda de viverrr, amada!
Ainda bem que não estou sozinha nesse processo de digestão rsrs... São leis DIVINAS, maravilhosas, que temos, toooooodos os dias, que nos lembrar!
Beijuuss n.c.

www.toforatodentro.blogspot.com

Denise disse...

Sim, Regina. O aprendizado é "custoso" como dizia minha avó...e estava coberta de razão. Crescer dá trabalho - e até indigestão...rs

Bjão minha querida, muito bom vc por aqui!

Cida disse...

São maravilhosas essas 4 leis, e se a gente concordar com elas, a vida fica mais simples e melhor explicada.

Bem no íntimo, sempre achei que nada acontece por acaso, e que as pessoas que cruzam nosso caminho, já estavam predestinadas a cruzá-lo.

Obrigada por compartilhar conosco esse tão belo texto, Denise.

Meu carinho e um beijo prá você queridavó.

Cid@

Denise disse...

Concordo com vc, Cida, a gente insiste em complicar, mas nos fundo, é simples viver - quanto mais se aprende, mais fácil, embora dolorido.

Bom domingo, amigavó.
Bjos pra vc!

Julio Cesar disse...

ai ai ai ai...aaaai....

Nâo quero ser o 'nó' no fio que irá tecer o centro do desenho!
...tá...aterriso...

(e dá para ser diferente com esse 'painel' aqui na frente da Taverna:
'o melhor suco de .....' -melhor não divulgar a cidade....rs... ou irá acontecer o mesmo que acontece com praias selvagens que caem na midia...e enchem-se de 'selvagens'..., não, melhor a Taverna assim...tranquila e guardando esse 'ar' noar...cult...pitoresco.)

Quanto diz que quando algo "termina é porque termina" e se acabou o melhor é sair e seguir em frente.
Um filamento elétrico percorre a medula de baixo a cima dessensibilizando os braços e as pernas em pensar onde essas situações se encaixam.
Pior...é verdade.
e...lembra da palavra 'desapaixonar'? de lá para cá...meditei 'pacas' sobre isso...e olhando essas "regrinhas"(em numero, não em qualidade)... quando termina inverte-se a ordem não?
ou seja:
*se termina, termina. Hora de 'sair' e evoluir.
*agora é o momento certo para esse reinício.
*justamente porque Aconteceu a unica coisa que poderia ter acontecido, não diferente.
*A pessoa que vem é a pessoa certa, porque assim também o foi a que se foi! baseado nas treis primeiras leis acima.
A espiritualidade é a dimensão atingiveu para aqueles que podem voar...tornam-se leves pelo desprendimento da carga material que ficou atrelada por toda uma existencia. Espiritualidade e materialismo são antagônicos. Não se trata de idealização...nem imaginação... mas de maturidade... de reconhecer, por já haver aprendido, quando essas 4 regras acontecem.
bem...já que vim até essa enésima linha... vou sentar e tomar o que tens para melhor me servir: será suco ou chocolate quente?
há momentos legitimadamente perdoaveis em que a razão não nos é presente para uma decisão!...oras...rs...
bjs

Denise disse...

Que interessante Julio, esse “retorno” – ou inversão – que vc fez...faz todo sentido! Eu não tinha visto por este ângulo, e esta é a vantagem da troca, da interação neste lugar...a gente vê pelos olhos do outro! E vc foi “fabuloso” (rsrsrs) quando descreveu a sensação ... “Um filamento elétrico percorre a medula de baixo a cima dessensibilizando os braços e as pernas em pensar onde essas situações se encaixam”...não conheço ninguém que nunca tenha vivido experiências que provoquem esse “doloroso torpor". Entretanto, seguir é memso tarefa difícil que pede coragem, tempo, determinação...e...muuuuiiito chocolate quente, pra combater esse frio danado!!!!...rsrs

Bjosss