“Planto flores no caminho para que não me faltem as

borboletas. Foram elas que me ensinaram que o casulo

não é o fim. É o começo."

Day Anne


7 de mai de 2010

Mário Quintana



"Fechei os olhos para não te ver e a minha boca para não dizer...E dos meus olhos fechados desceram lágrimas que não enxuguei, e da minha boca fechada nasceram sussurros e palavras mudas que te dediquei...
O amor é quando a gente mora um no outro."


15 comentários:

Julio Cesar disse...

o que dizer...é lindo.
vai acabar meu tempo aqui...rs

ju rigoni disse...

Passando para te deixar um beijo e desejar um bom fim de semana.

E a poesia de Quintana... Uma paixão!

Bjs, Denise. Inté!

Denise disse...

Julio, Quintana é um brinde ao fim de semana, pegue sua taça (de suco)...tim-tim!

Bjos

Denise disse...

Todo poema deve chamar tua atenção, né Ju? imagino Quintana - irreverente na medida certa - uma paixão, disseste tudo!

Que sejam ótimos os dias, e tudo que precisas, aconteça!
Bjos. Meu carinho!

Cida disse...

Grande Mário Quintana!

De passagem prá te desejar um dia das mães maravilhoso e cheio das bençãos de Deus.

Um forte abraço

Cid@

Denise disse...

Quintana e sua sabedoria simples,o que diga-se de passagem são as melhores.

bom demais tudo aqui

afagos

Denise disse...

Cida, querida, obrigada!!
Pra vc tb, um domingo repleto das melhores energias, recheado de alegria e muitos abraços e carinho!
Deus abençoe nossos filhos, que nos deram a condição de mães: uma missão sagrada!
Bjo grande, amigavó!

Denise disse...

Olá, Denise.

É um prazer tua visita!

Goethe já dizia que "a beleza ideal está na simplicidade calma e serena"...

Um ótimo fds pra vc.
Afagos tb!

ju rigoni disse...

É exatamente isso. Quando se é desmedido, como eu, tem-se uma tendência a admirar o que é belo e transborda sem extrapolar. rsrs

Sim, a poesia, não necessariamente todo poema, sempre me atraiu.

Precisar, preciso de saúde. Bjs, Denise. Abraço apertado pelo Dia das Mães. Inté!

Denise disse...

Foi com tempo que fui ao Dormentes, pq sabia que encontraria riqueza em forma de poesia.
Não sei "poetar", inebrio-me, deixo a emoção me tomar no mergulho da entrega à leitura. Como há pouco, em "Amanhã... Quem sabe?..."

Grata pela visita, Ju. Fica no ar uma suave sensação quando passa por aqui. É gostosa essa presença.

Feliz dia das mães, muita saúde e alegria, neste, e em todos os dias!
Bjo carinhoso

Julio Cesar disse...

Sim...quando se mora um no outro...e tão perfeito...

Faz o verso:
"onde quer que eu vá, o que quer que eu faça, sem você, não tem graça"
ou
"quais são as coisas, e as cores, prá ti prender?eu tive um sonho ruim e acordei chorando por isso eu te liguei..."
ah...e tem tantos...


O paradoxo...fechando os olhos, abre-se a janela que coloca-a a minha frente. Não verteram lagrimas, mas o 'suco' do amor que...ããã...brota, que transpira, rega...inunda...
palavras mudas melhor se dão melhor quando encontram a outra boca.

Que poesia linda... acho que vou passar o dia fechando os olhos, porém sem lágrimas...curtindo os sentimentos que essa poesia alvoraça e intui...rs...
é verdade...simples e profunda!como muito do Quintana.
A não obviedade seduz pelo aguçar...(mas vou parar aqui...não quero ferir essas palavras ma-ra-vi-lho-sas)

T menos um dia para celebrar o que deve ser feito todos os dias. Parabens a você, tres vezes: por ser mulher (linda), mãe (acho que maravilhosa), e avó(por isso o adjetivo anterior).
Bjs e abraço carinhoso em ti para levar comigo o teu perfume (para ajudar quando fechar os olhos!rs...)
Lindo sabado para ti, Denise

Julio Cesar disse...

Peguei minha taça...e obrigado pelo brinde. Sempre bom brindar com você.
bjs

PS:acabar o tempo, é que eu estava em cybercafé, no primeiro comment...e iriam fechar

ju rigoni disse...

Gosto de vir aqui porque identifico-me com o conteúdo dos cálices em que você bebe. Fico triste de não poder vir mais vezes mas, para mim, as coisas são mais difíceis do que aparentam. Adoro blogues, e exagerada que sou, tenho cinco. Tento atualizar todos eles no domingo. Durante a semana, e principalmente aos sábados, esforço-me para visitar os amigos; vou, driblando as dificuldades, no meu passo picadinho, tentando retribuir a gentileza das visitas. Infelizmente, nem sempre consigo. Sei que não é este o seu caso, mas algumas pessoas ficam ressentidas porque não encontro tempo para aparecer mais do que uma vez por semana.

deixo-lhe fragmentos...

O tempo, tal qual a morte,
é o grande mistério da vida.
(Talvez ambos nem existam!...)
É acorde dissonante
este significante
de tanto significado.

Tormento de jovens e idosos, -
uns querem que passe depressa
e outros que ele não passe.

Mas o tempo vai passando...
que o tempo não perde tempo;
sua natureza é passar...


Denise, queiramos ou não, o amanhã é daqui a pouco. Então, vamos atravessar as frestas e tentar ser felizes, apesar dos pesares do mundo em que vivemos. Bjs e inté!

Denise disse...

Olá, Julio!!

Tuas palavras "vou parar aqui...não quero ferir essas palavras ma-ra-vi-lho-sas", me lembraram de um fato antigo...não lembro onde li que a poesia, por si só, exprime-se, dispensando interpretações do leitor...deve ser (pensei na ocasião) pq, subjetivamente, acessa a cada um de um jeito diferente. Ora, tb pensei...os poetas escrevem sob o signo de 'suas' emoções, inacessíveis...pq nos tocam?? Desde então, aprecio o que provoca 'em mim', pq entendi ser esta a natureza dos poemas. Te vi "tocado" por Quintana...talvez por isso tenha lembrado (e comprovado).


Muito obrigada pelo cumprimento carinhoso, nós três agradecemos, e juntas teremos um domingo maravilhoso...rs

Um forte abraço,

Denise disse...

Ah! Ju... que lindos fragmentos (posso publicar??), só 'perdem' pra tua delicadeza de sentimentos e nobreza de gesto! Obrigada querida, pelo duplo presente: teu retorno em forma de poema!!

Beijão!