“Planto flores no caminho para que não me faltem as

borboletas. Foram elas que me ensinaram que o casulo

não é o fim. É o começo."

Day Anne


24 de mai de 2010

Edson Marques


Amar é permitir sempre,
amar é deixar que o outro vá.

Ou que fique, se assim o desejar.

Amar é ter um respeito absoluto
pela própria liberdade e pela liberdade do outro.

Amar é compreender sempre.

E isso não significa apenas
entendimento racional,
vai além, muito além:

Amar é reconhecer afetuosamente
o direito que o outro tem
de fazer suas escolhas.

Mesmo que essas escolhas eventualmente me excluam...


4 comentários:

Maria Izabel Viégas disse...

Olá Denise querida,

Lindo!
Penso que este respeito "absoluto" em todos os relacionamentos é um dos mais difíceis testes dos seres humanos. Exige um verdadeiro conhecimento do valor de si próprio e uma total amizade pelo outro ser... como desejar que alguém que amemos não seja feliz, mesmo que longe!
É um quase alçar o mais belo vôo da nossa alma.
Beijos, amada amiga.
Obrigada pelo seu constante carinho!

Regina Rozenbaum disse...

Denise, moça linda de viverrr, amada!
Essa lição é difícil de aprender... "mesmo que me exclua"... Mas a gente é "nova" e um dia, talvez, aprenda. Obriagada pela visita, estava com sôdade doce, docê!
Beijuuss n.c.

www.toforatodentro.blogspot.com

Denise disse...

Maria Izabel, que gostoso te ver por aqui!

Eu tiraria o "quase" da tua frase, acredito que, em se tratando de relacionamentos, a entrega (absoluta) é fundamental, e um voo assim é o mais belo - ainda que naquele contexto!

Uma ótima semana pra vc, beijo carinhoso minha amiga!

Denise disse...

É, Regina, a gente tem que ser "grande" diante do amor...mesmo se doa, o amor é a melhor lição, sempre!

Eu entendo que o tempo não permite que a gente "sassarique" pelos blogs como gostaria...rs...importa que quando dá, a gente aparece, levando carinho e trazendo um montão de coisas boas!

Bjão e uma ótima semaninha procê!