“Planto flores no caminho para que não me faltem as

borboletas. Foram elas que me ensinaram que o casulo

não é o fim. É o começo."

Day Anne


16 de jan de 2010

Segundo ano

No blog da Martha Medeiros, que acompanho sempre, encontrei um brinde ao meu dia 16 de janeiro. Comemoro a data sempre dividindo a conquista com quem conspirou para essa mudança, e divulgo como motivação para quem está no caminho da escolha da vida. Hoje não é diferente, renovo minha gratidão ao Mestre de Cerimônias que segurou minha mão para que eu cruzasse a última ponte de um Caminho Novo, há dois anos.

O texto abaixo, retirado do blog da ilustre gaúcha, mostra o começo do processo – seguramente o mais difícil de vencer para a maioria – e no final te conto sobre como são os setecentos e trinta dias respirando mais vida.


PIRO NO SUSPIRO

Pasmem os que sabiam e os que não desse meu segredo: parei de fumar. Sim, sou uma ex-fumante de um mês sem, e de trinta e seis anos com. Isto é, quase quatro décadas fumando esses cigarros que se compra em qualquer parte, nos bares, nos clubes, nos hotéis, nas portas dos colégios, nas boates, nos shoppings, nos supermercados, nos motéis, nas pousadas, nos postos, nos quiosques e outras bocas de fumo expostas e legalizadas espalhadas por aí, ao nosso dispor. Mas não escrevo para convencer ninguém a nada, não fiquei uma ex-fumante patrulhante. Sou recente e estou em estado de espanto pela nova vida. Vale dizer que eu era uma fumante cujo hábito se agravava nas festas e como delicioso acompanhante das bebidas. Falo da delícia de um gole e um trago. Quem é fumante sabe. Nessas ocasiões poderia fumar até oito cigarros, ou mais, dez. Mas em geral, dois cigarros por dia, três e pronto. Também era de hábito, depois de uma noite regada a fumaça, álcool, dança e tudo que tem numa festa, eu costumava ficar em uma abstinência natural durante todo o dia seguinte; mais que uma abstinência, uma certa ressaca, uma certa ojeriza ao cheiro do cigarro. Então me diziam: puxa, mas você fuma tão pouco que nem precisa parar. Não sei por que, há um mês, depois de um desses days after, resolvi subitamente parar de fumar, sem me preparar para isso. Aproveitei o nojo, a fala do corpo que me fazia rejeitar e pensei: acho que não volto a fumar. Logo depois, seqüência direta, li num jornal que Mara Manzan tinha morrido; nossa querida, valente e divertidíssima atriz. [...] Então pensei, vou parar de comprar meu câncer. Esses donos de fábrica de tabaco devem ser sócios dos laboratórios de quimioterapia como os hakers precisam produzir a doença para vender o remédio.

Sei que escrevo agora uma crônica quase dura, principalmente para quem fuma, mas não posso deixar de compartilhar essa experiência com meus iguais. Estou chocada: sem usar nenhum emplastro, sem pastilhas e outros recursos para atravessar o processo, estou sem fumar a frio. No entanto, o mundo cintila com igual força ao meu redor e, como se um espírito não fumador estivesse encostado em mim, eu não tenho a mínima vontade de fumar desde esse dia, e nunca mais. [...] A vida me convoca a me despedir de um velho vício. Há muitos anos eu não me despedia de um velho vício! Topei. Fui no fundamento dele e achei uma tola desobediência a meu pai, um jeito de me afirmar como jovem, um jeito datado de chocar; achei também uma oralidade, uma ansiedade, uma vontade de comer o mundo como se fosse uma chupeta que comecei a sugar na hora que estava me construindo, adolescente, como a gente grande que viria a ser. Desmontado o enigma, a sensação que me invadia nos primeiros dias sem fumar é a de que esse costume em mim parece ter perdido a validade, não sou mais aquela, saí daquela moda , mudei de formato, e essa é minha mais atual transformação. Bem, para quem nasceu careca, sem dente e sem saber andar, até que essa transformação não é tão radical assim. E depois, o show da mutação não para. Quem recebe a glória de ficar velhinho pode ter o álbum das diversas fases da grande viagem, para confirmar o que digo. Nos novos dias tenho “viajado” no paladar das coisas, sempre fui boa de sentido, mas agora estou melhor. Faz sentido. Minha voz também está mais bonita. Para completar a partitura, ainda ouvi de um gentil cavaleiro, doces palavras: “hum, você sem fumar, é um poema sem palavras feito só de cheiro”; êxtase de ouvir isso.

Mas deixei para o final a invisível mão que mais me acolheu, subsidiou e deu patamar de fortaleza à minha decisão: Dona Poesia. Foi ela, meu Deus, outra vez, que numa displicente noite, ao abrir um livro de Quintana, lançou-me na cara: “Desconfia dos que não fumam: esses não tem vida interior, não tem sentimentos. O cigarro é uma maneira disfarçada de suspirar...”. Pirei! De novo Quintana tinha razão: ao fumar visitamos nossos interiores, refletimos, conversamos com nossas vozes íntimas, e é por isso que o Zeca Baleiro diz que “a solidão é o meu cigarro”, mas, para os meus propósitos, me agarrei foi no final, na função do verbo suspirar. Então comecei, só para brincar, a fumar um cigarro imaginário e tragá-lo profundamente, suspirar e soltar o ar. Dá uma onda parecida com yoga, parecida com amor. Sou romântica, e os românticos suspiram profundamente; o ar visita as vísceras, o diafragma, enche os pulmões, oxigena o cérebro e volta outro pra donde veio. Então é isso, agora eu ministro suspiros em mim quando lembro, quando quero, quando preciso, e sem me matar por isso. Espero assim, pelo menos desse jeito, adiar para muito longe o meu último suspiro. (Elisa Lucinda)


Contrariamente à depoente, o vício do tabaco não casou com o do álcool, e talvez a escassa boemia tenha colaborado; entretanto, em comum temos a ausência absoluta da vontade de fumar, e, no meu caso, a completa surpresa ficou nesse ponto, pois imaginava que seria um circo dos horrores, e temia pela desordem emocional e de convivência diante da irritação, do mau humor que esperei...e não veio!

A decisão pareceu ter vindo sem preparo, mas meu íntimo estava desejoso, e o empurrãozinho final não viria pela crítica comum dos patrulheiros de plantão. Consumado o fato, o corpo que não ganhou a ajuda dos adesivos, balinhas e afins, sofreu e superou as inúmeras crises de abstinência que o castigaram por alguns meses. A sensação era muito semelhante à fraqueza, com tremores constantes e intensos, sudorese e aceleração cardíaca. Diminuiu o sono, não aumentou o apetite, mas a comida ganhou sabor e o peso subiu. O que ajudou foi o peso estar bem baixo, e a determinação sempre em alta...rs

Descobri que estive muitos anos acompanhada de um falso amigo, que não me fez falta em nenhum destes dias, e substituí-lo pelo cheirinho do meu perfume predileto foi mais agradável a todos que me rodeiam. Além das roupas cheirosas, do cheiro de banho se prolongar, dos cabelos estarem livres do eterno odor do cigarro, da comida ficar apetitosa, troquei o velho companheiro por hábitos mais prazerosos. Não fico distante das pessoas nas reuniões, os abraços são mais demorados...rs...não me preocupo se em aviões ou lugares públicos não pode fumar.

Mas o que mais comemoro, além da mudança que me trouxe em todos os níveis, é o orgulho que sinto nos olhos da minha filha - a primeira pessoa a receber a boa nova, incluída na intenção de ser presenteada em seu aniversário próximo com um abraço com cheiro de mãe - a satisfação dos amigos chegados, da família que deu incentivo. E muito em breve, quando meu colo de avó ganha dono, celebrarei a alegria de afetar somente seu coração, com o imenso amor que quero espalhar à sua volta. Por estas e por outras razões que me escapam neste instante, me declaro feliz pela conquista que comemoro. Na verdade não dimensionei os ganhos todos quando optei pela ruptura de um hábito nocivo, corrosivo e grosseiro à vida. Mas me congratulo pela coragem da decisão, e incentivo quem está a caminho de optar pela transformação do futuro.

Lembro ainda, que tem outras formas mais saudáveis de entrar em contato com nosso interior, experimente uma canção, silencie e ouça seu coração. Passe longe dessa morte à prestação, a troque pela saúde de seus novos dias. Ganhe coragem, ganhe saúde, preserve a vida!

Eu também não sou mais aquela, me prefiro esta!!

2 comentários:

Adelia Ester Maame Zimeo disse...

Denise, minha querida amiga, parabéns por mais esta conquista em sua vida! Um Brinde à Vida! Beijo. Meu carinho.

Denise disse...

Obrigada, minha amiga, sempre tão carinhosa. Esta conquista é um de meus orgulhosos.
Bjos