“Planto flores no caminho para que não me faltem as

borboletas. Foram elas que me ensinaram que o casulo

não é o fim. É o começo."

Day Anne


19 de jan de 2010

Dias de chuva e dias de sol.


Temos dias sol, e temos dias chuva.
Quando estamos radiantes, sintonizados com a melhor energia que produzimos - e recebemos - o dia fica ensolarado dentro de nós, e os raios que emitimos atingem outros corações sensíveis. É nosso dia sol, cheio de Luz, brilho e tons da alegria, da farta sensação de plenitude, uma agitação saudável que se espalha no peito feliz. Nesse dia de sol, as canções que ouvimos são mais alegres, a atenção capta imagens mais vibrantes, tudo parece mais gracioso, e reina harmonia entre o que sentimos dentro e o que está fora.
Nos dias chuva, o rosto fica molhado, os olhos desmaiam, a energia mal qualificada que nos inspira a tristeza faz parte do cenário desprovido de luz, sem sabor, incolor e indiferente. Tudo lá fora não combina com o que mora lá dentro. Não há sintonia. Não existe alegria. A vida chora e as lágrimas se misturam ao cinza que ocupa nosso redor. Essa cercania entristecida, tal qual um vale de sombras onde habita a desesperança e a desconstrução, pode ser desabitada pela resolução corajosa de tornar-se dia de sol.
Secar o mundo e beber da Luz!! Beijar a vida ao receber o sol!!! Ser dia de sol, usando as gotas de chuva para regar as flores do caminho.

6 comentários:

Centro Ecológico Saberes da Vida disse...

Lindo Denise, parabéns. Solrisos!

Denise disse...

Grata amigo, pela preciosa presença.

Dê-me a alegria de voltar sempre!
Bjos

manuel marques disse...

Os anos ensinam muitas coisas que os dias desconhecem ...

Beijo.

Denise disse...

Inspirador teu comentário...como sempre, Manuel!

Bjos

Maria Tereza Venzke disse...

Agradecida por partilhar tua inspiração...

bj

Denise disse...

...vinda de ti, né Tere???

Bjo grande!