“Planto flores no caminho para que não me faltem as

borboletas. Foram elas que me ensinaram que o casulo

não é o fim. É o começo."

Day Anne


4 de dez de 2009

Uma fraude


Em algum recanto da noite explodiu a palavra solitária, encarnada, brilhante, em caixa alta, refletida num muro desconhecido. Havia um ruído indistinto, como se fora um murmúrio indicando um lamento...sussurrando a unica expressão numa repetição que lembrou o recitar de um mantra. Como se um vento frio houvesse sido soprado por uma fresta, estremeci, gelada ante a revelação inequívoca. Com a força própria de eventos que nos arrancam de um lugar querido, senti-me órfã de um sonho que julguei ter vivido. Sacudida por esta forte percepção, abandonei o sono para por a vigília a serviço da informação.
Reconciliada com a indolência da noite, retomei o abandono físico para repousar.
O dia antecipou sua alvorada trazendo uma urgência oculta dificultada pela espera de uma agenda cheia, porém, o silêncio matutino conspirou para algumas difíceis revelações...aquelas que, embora custe a crer, o próprio coração revelou. (como se houvesse outro caminho para esse conhecimento...)

Nenhum comentário: