“Planto flores no caminho para que não me faltem as

borboletas. Foram elas que me ensinaram que o casulo

não é o fim. É o começo."

Day Anne


26 de out de 2009

As amarras...

Os grilhões que nos prendem são criados por nós mesmos, na cegueira que impede que seja visto o que necessitamos; no engano que providencia o postergar da caminhada.
As amarras são tênues certezas que parecem intocáveis, mas, quando identificadas suas frágeis convicções, desatam os nós e libertam o coração.
Está preso aquele que quer permanecer ancorado onde está, mesmo que signifique o adiamento da vida. Ou porque neste instante, é tudo o que pode haver, pois até a libertação pode ser perigosa...
O laço que prende o grilhão é o medo. O elo que produz a corrente que aprisiona. Porque o amor liberta...o amor por si mesmo, pelo outro...

Nenhum comentário: